VETOS

Até a petista roxa Maria do Rosário votou para derrotar Lula na Câmara. Veja como foi

Os dois fracassos não foram menos do que acachapantes. Reafirmam que o único parlamento no qual o governo tem força é o plenário do STF.

Petista está de olho nas eleições municipaisPetista está de olho nas eleições municipais - Foto: Mario Agra / Câmara dos Deputados

Nas votações dos vetos em sessão do Congresso, na última terça-feira, o Governo Lula provou do fel da oposição, reforçada até por petistas. A inexistência do governo ficou muito clara: até integrantes de partidos da suposta base foram contra o Palácio do Planalto. E não foram poucos. Lula queria criminalizar a divulgação de fake news eleitorais. Foi derrotado por 317 a 139 na Câmara.

Lula queria manter a saidinha de presos no regime semiaberto. Foi derrotado por 314 a 126 na Câmara. No Senado, por 52 a 11. Sinal de que Lula também não vai aonde o povo está: a petistíssima deputada Maria do Rosário votou com a maioria contra a saidinha, porque quer ser prefeita de Porto Alegre. Tabata Amaral, da esquerda descolada, igualmente votou contra. Quer ser prefeita de São Paulo.

Os dois fracassos não foram menos do que acachapantes. Reafirmam que o único parlamento no qual o governo tem força é o plenário do STF. Na falta de apoio político, chantageado pelo Congresso, Lula faz mais do mesmo: paga para que deputados e senadores votem a favor de projetos do Palácio do Planalto.

Só que, à diferença do que ocorreu nos mandatos petistas anteriores, hoje os partidos e o Congresso contam com uma bolada própria muito maior — o dinheiro do fundo partidário e do fundo eleitoral e as emendas disso e daquilo, respectivamente.

No início deste mês, por exemplo, os parlamentares rejeitaram vetos presidenciais e restabeleceram o pagamento de R$ 4,25 bilhões relativos a emendas apresentadas pelas comissões permanentes. Para não ficar muito feio para Lula, acataram o veto para o restante que completava a soma total de R$ 6 bilhões. Deram de lambuja.

Outro exemplo de que o governo não existe é a tratativa com os planos de saúde. As operadoras estão se entendendo diretamente com Arthur Lira para trocar o cancelamento de planos por uma legislação que as beneficie. Se não há governo, quem precisa de intermediários?

Veja também

TSE mantém cassação do prefeito e do vice de São Caetano do Sul por fraude nas eleções 2016
ELEIÇÕES

TSE mantém cassação do prefeito e do vice de São Caetano do Sul por fraude nas eleções 2016

Banca inglesa tenta faturar no desastre da Samarco; confira a coluna deste sábado (22)
Cláudio Humberto

Banca inglesa tenta faturar no desastre da Samarco; confira a coluna deste sábado (22)

Newsletter