RACISMO

Após condenação de torcedores, relembre como racismo sofrido por Vini Jr. revoltou o mundo

Trio terá de ficar dois anos sem entrar em estádios de futebol, segundo decisão desta segunda-feira; caso teve repercussão internacional

Vini Jr em jogo contra o Valencia em maio de 2023Vini Jr em jogo contra o Valencia em maio de 2023 - Foto: José Jordan/AFP

Nesta segunda-feira, a Justiça da Espanha condenou a oito meses de reclusão três torcedores do Valencia por proferirem ofensas racistas contra Vini Jr, do Real Madrid, em maio do ano passado, no estádio Mestalla.

O trio terá também de ficar dois anos sem entrar em estádios de futebol. Relembre abaixo como aconteceu o episódio e a repercussão internacional provocada.

Antes de serem condenados, segundo o jornal Marca, os acusados leram uma carta em que pediam desculpas a Vini Jr, à liga espanhola e ao Real Madrid. A defesa do trio não informou, até o momento, se vai recorrer da sentença.
 

Antecedentes
Entre outubro de 2021 e março de 2023, foram 10 jogos diferentes em que o Vini Jr. foi vítima de racismo.

Desde insultos nas arquibancadas chamando o jogador de “macaco”, passando por cânticos da torcida desejando sua morte, até um boneco com seu uniforme aparecendo pendurado enforcado em um viaduto em Madri, o brasileiro convive com ataques racistas em praticamente todos os jogos fora de casa.

Chegada
Antes mesmo de a bola rolar, os torcedores do Valencia foram até a entrada dos jogadores no estádio Mestalla.


O ônibus do Real Madrid que levou os atletas para a partida foi recebido por uma multidão que gritava “Você é um macaco, Vinícius”.

Eles ocupavam lugares cercados pela polícia local, que acompanhou a movimentação mas não tomou atitudes contra os torcedores.

 

Jogo paralisado
Aos 24 minutos, Vinícius Júnior reclamou com a arbitragem sobre um lance em que um jogador do Valencia atrapalhou o reinício da partida. A torcida localizada atrás do gol, formada pelo grupo fascista Yomus, intensificou as ofensas racistas contra o jogador, chamando-o de “macaco” repetidas vezes. O brasileiro rebateu as ofensas e chamou o árbitro Ricardo De Burgos Bengoetxea para apontar os torcedores racistas, mas eles não foram expulsos, mesmo com a chegada da polícia espanhola no local.

Avisos sonoros
A partida ficou paralisada durante oito minutos, e foram emitidos avisos sonoros no estádio para que os torcedores parassem com as ofensas, mas antes que o aviso seguinte fosse sinalizado, o que suspenderia o jogo de acordo com o código disciplinar da Fifa, o juiz autorizou o reinício.

Expulsão
Aos 47 minutos do segundo tempo, Vini Jr se desentendeu com o goleiro do Valencia, Mamardashvili, e os jogadores dos dois lados se envolveram em uma briga generalizada. Inicialmente, Vinícius e o goleiro levaram cartão amarelo, mas o juiz responsável pelo VAR indicou que o brasileiro deveria ser expulso por acertar o rosto do atacante Hugo Duro, e o árbitro acatou a decisão. Duro, que deu uma espécie de mata-leão em Vini durante a confusão, não foi advertido.

Coletiva
O treinador do Real Madrid, Carlo Ancelotti, usou a entrevista coletiva após a partida para falar sobre o caso. “Não quero falar de futebol. Quero falar do que aconteceu aqui. Creio que é mais importante que uma derrota. O que aconteceu hoje não tem que acontecer. É evidente. Quando um estádio grita "mono" a um jogador e um treinador pensa a tirar o jogador por isso, é sinal que tem algo ruim acontecendo nessa liga. A Liga tem um problema. Esse episódio de racismo para mim tem que parar a partida. Não pode passar”, afirmou o treinador.

Posicionamentos
Nas redes sociais, Vini Jr. publicou um texto criticando a ineficiência da LaLiga na punição aos responsáveis pelas ofensas racistas. “O prêmio que os racistas ganharam foi a minha expulsão. Vou até o fim contra os racistas. Mesmo que longe daqui”, indicando uma possível saída do clube. Javier Tebas, presidente da LaLiga, rebateu o jogador, afirmando que ele precisava “se informar adequadamente”, mas Vini não recuou. Em nova publicação, declarou: “Quero ações e punições. Hashtag não me comove.”

Repercussão
O caso ganhou notoriedade, e houve posicionamentos de diversas instituições. O Real Madrid afirmou que irá acionar a justiça espanhola através da Procuradoria-Geral da Espanha e o Valencia informou que irá banir os torcedores racistas. Os Ministérios do Esporte; da Igualdade Racial; das Relações Exteriores; da Justiça e Segurança Pública; e dos Direitos Humanos e da Cidadania assinaram uma nota conjunta na qual insistem para “as autoridades governamentais e esportivas da Espanha a tomarem as providências necessárias, a fim de punir os perpetradores e evitar a recorrência desses atos. Apela, igualmente, à FIFA e à Liga a aplicar as medidas cabíveis”. Durante um discurso no G7, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que “é importante que a Fifa e a liga espanhola tomem sérias providências, porque nós não podemos permitir que o fascismo e o racismo tomem conta dos estádios de futebol". O alto comissário para os Direitos Humanos, Volker Turk, condenou o episodóio e anunciou um guia para atuação em casos de racismo no esporte.

A Real Federação Espanhola de Futebol anulou a expulsão de Vinícius Júnior, puniu o Valencia com uma multa de 45 mil euros (cerca de R$ 270 mil) e anunciou o fechamento da torcida do clube que fica atrás do gol, de onde saíram as maiores ofensas racistas, por cinco jogos.

Veja também

Atleta beijada à força na Copa é alvo de ataques homofóbicos por fotos que indicam affair
Futebol

Atleta beijada à força na Copa é alvo de ataques homofóbicos por fotos que indicam affair

Abel Ferreira se torna técnico mais longevo da história do Palmeiras: 'Motivo de orgulho'
Futebol

Abel Ferreira se torna técnico mais longevo da história do Palmeiras: 'Motivo de orgulho'

Newsletter