SAÚDE

Câncer de bexiga mata quase 5 mil pessoas por ano no Brasil; saiba sintomas e fatores de risco

Maior parte dos óbitos, 67,6%, foi entre homens

Cor da urinaCor da urina - Foto: @jcomp/Freepik

O câncer de bexiga matou quase 5 mil pessoas a cada 12 meses no Brasil entre 2019 e 2022.

Ao todo, foram registrados 19.160 óbitos, 67,6% deles entre homens, segundo um novo levantamento da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) baseado em dados do Sistema de Informações do Ministério da Saúde (SIH/SUS).

Além disso, foram identificados mais de 110.508 novos casos do tumor, que tem como principal fator de risco o tabagismo, entre 2019 e abril deste ano, alerta o presidente da SBU, Luiz Otavio Torres. A entidade médica realiza uma campanha de conscientização sobre a neoplasia no mês de julho.

— O tabagismo é relacionado a mais de 50% dos casos. Portanto, eliminando esse hábito, conseguimos diminuir significativamente as chances de aparecimento desse tumor. Outro ponto fundamental na prevenção é seguir hábitos saudáveis, como manter uma alimentação balanceada, beber água em quantidade adequada e exercitar-se — diz.

 

A diretora de Comunicação da SBU e coordenadora da campanha, Karin Jaeger Anzolch, diz que o tabagismo como um fator de risco para outros tipos de câncer além do de pulmão ainda é algo desconhecido por grande parte da população:

— Temos observado que muitas pessoas desconhecem o câncer de bexiga, como se manifesta e quais são os principais vilões. A maioria já sabe que o fumo pode levar ao câncer de pulmão, por exemplo, mas muitos desconhecem que ele também é o principal causador do câncer de bexiga.

Mas não é apenas o tabagismo que eleva o risco da doença. Outros fatores de destaque são:

Exposição a substâncias químicas;

Alguns medicamentos e suplementos dietéticos;

Gênero e raça (homens brancos têm mais chances de desenvolver a doença);

Idade avançada;

Histórico familiar.

Sinais de alerta
Em relação aos sinais de alerta do tumor, o coordenador do Departamento de Uro-Oncologia da SBU, Mauricio Dener Cordeiro destaca que “a presença de sangue visível na urina é o sintoma mais comum do câncer de bexiga e está normalmente presente em 80% dos pacientes”.

Porém, muitas vezes o sintoma é descartado porque, no início, o câncer é mais silencioso e não provoca dor, alerta Anzolch: "É comum as pessoas não darem a devida importância e retardarem a ida ao médico, podendo agravar o quadro".

Outros sintomas são:

Maior frequência urinária;

Ardência ao urinar;

Urgência para urinar;

Jato urinário fraco.

Diagnóstico e tratamento
O diagnóstico do câncer de bexiga é feito por exames de urina e de imagem, como ultrassom, tomografia computadorizada e cistoscopia (investigação interna da bexiga por meio do cistoscópio, instrumento dotado de câmera introduzido pela uretra).

Já o tratamento varia conforme o estágio da doença, podendo envolver cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

Maior incidência no Sul e no Sudeste
O levantamento mostra que, dos 110,5 mil novos casos registrados desde 2019, a maior parte está em São Paulo (37.582), Minas Gerais (13.501), Paraná (9.166) e Rio de Janeiro (8.777).

— No Brasil, observamos maior incidência dessa doença nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. De forma análoga, globalmente é uma doença que incide mais em regiões com IDH mais elevado. Nas regiões Nordeste e Centro-Oeste temos, contudo, observado um aumento do número de casos progressivamente — analisa o supervisor da Disciplina de Câncer de Bexiga da SBU, Fernando Korkes.

Veja também

Pernambuco apresenta redução de Mortes Violentas Intencionais
Violência

Pernambuco apresenta redução de Mortes Violentas Intencionais

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta
Vacinação

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta

Newsletter