OBESIDADE

Fim do IMC? Fator psicológico e funcional do peso: Europa cria nova fórmula para calcular obesidade

Na nova diretriz, também devem ser levados em conta outros fatores para o diagnóstico da doença

ObesidadeObesidade - Foto: Canva/Reprodução

O diagnóstico de obesidade que utiliza apenas os valores representados no Índice de Massa Corporal (IMC), que funciona como uma tabela internacional, pode não ser o suficiente.

É o que defende a Associação Europeia para o Estudo da Obesidade (EASO) em um estudo publicado na revista científica Nature Medicine.

A organização propõe uma nova maneira de calcular a gordura corporal, na qual, para além do método usual, também são levadas em conta a circunferência abdominal e os aspectos psicológicos.

Segundo o documento, o cálculo do índice (no qual se divide a altura pelo peso ao quadrado) não abarca todas as complexidades associadas à doença, especialmente em levar o acúmulo de gordura abdominal. Esse posicionamento vem sendo defendido por profissionais da saúde há muitos anos.

A partir do IMC, uma pessoa é considerada obesa quando tem IMC igual ou superior a 30 kg/m². Já a nova estrutura europeia propõe que o valor seja de 25 kg/m², mas com maior acúmulo de gordura abdominal, relação cintura-altura acima de 0,5 e a presença de quaisquer comprometimentos médicos, funcionais ou psicológicos de complicações na definição de obesidade, reduzindo assim o risco de subtratamento neste grupo específico de pacientes em comparação com a atual definição de obesidade baseada no IMC.

"Esta declaração aproximará o gerenciamento da obesidade do gerenciamento de outras doenças crônicas não transmissíveis, nas quais o objetivo não é representado por resultados intermediários de curto prazo, mas por benefícios de saúde de longo prazo", escreveram os autores.

No quesito indicação para futuros tratamentos, o documento mantém as recomendações anteriores utilizadas em todo o mundo. É preconizado mudanças no estilo de vida do paciente diagnosticado com a doença.

"Considerando os pilares do tratamento de pessoas com obesidade, nossas recomendações aderem substancialmente às diretrizes atuais disponíveis. Modificações comportamentais, incluindo terapia nutricional, atividade física, redução do estresse e melhora do sono, foram acordadas como principais pilares do gerenciamento da obesidade, com a possível adição de terapia psicológica, medicamentos para obesidade e procedimentos metabólicos ou bariátricos (cirúrgicos e endoscópicos)", indicam os pesquisadores.

Veja também

Pernambuco apresenta redução de Mortes Violentas Intencionais
Violência

Pernambuco apresenta redução de Mortes Violentas Intencionais

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta
Vacinação

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta

Newsletter