ciência

Olhos: qual a cor mais comum? E a mais rara?

Todos os humanos tinham olhos castanhos, até que, entre 6 mil e 10 mil anos atrás, houve uma mutação genética

OlhosOlhos - Foto: Pexels

Há milhares de anos, todos os humanos tinham olhos castanhos. Até que alguém sofreu uma mutação no gene OCA2. Assim surgia a primeira pessoa de olhos claros, entre 6 mil e 10 mil anos atrás. A mutação impacta a produção de melanina na íris, criando os olhos âmbar, verdes e azuis.

A novidade se espalhou e hoje é predominante em algumas regiões. No entanto, os olhos castanhos ainda são os mais comuns entre os humanos.

De acordo com a Clínica Cleveland, nem sempre os especialistas concordam sobre as principais cores dos olhos que as pessoas podem ter. Algumas escalas usam cores que não aparecem em outras, enquanto outras escalas agrupam cores do claro ao escuro.

As cores principais que aparecem em quase todas as escalas são: cinza, azul, verde, castanho, “hazel eyes” (uma mistura de castanho, âmbar e verde) e âmbar.

O World Atlas estima que de 70 a 79% das pessoas no mundo têm olhos castanhos. A segunda cor mais comum é o azul, presente em de 8 a 10% dos humanos. Cerca de 5% têm os chamados “hazel eyes”. A cor de olhos mais rara é o verde, com apenas 2% das pessoas. No levantamento, 9% ficaram com “outros”.

Alguns países em que os olhos azuis são mais comuns que o castanho são: Islândia (74,5%, a maior incidência do planeta,) Dinamarca (64,8%) e Holanda (60,9%). Na França, as cores “intermediárias” (hazel, âmbar ou verde) são mais comuns que o azul ou castanho. Já o país com mais olhos verdes, os mais raros, é a Escócia.

Embora poucos estudos tenham analisado a cor dos olhos em África, é evidente que o castanho é a cor predominante, da mesma forma no Sul da Ásia e no Leste Asiático.

Há diversas teorias para explicar por que a Europa tem tanta variação na cor dos olhos. Uma delas é a “hipótese da vitamina D”, que sugere que pele, cabelos e olhos claros ajudaram os humanos pré-históricos a se adaptarem às latitudes mais ao Norte, onde a luz é menos abundante. Outra hipótese é que isso tem a ver com o fato de os europeus terem mais genes neandertais. Na realidade, é provável que se trate de uma mistura complexa de fatores que envolvem genética, seleção sexual e relaxamento da seleção natural.

Olhos azuis vão acabar?
Geneticamente os olhos claros são recessivos, enquanto os olhos castanhos são dominantes, o que significa que uma pessoa precisa herdar os genes dos olhos azuis ou verdes de ambos os pais para possuir a característica.

Por isso, algumas pessoas pensam que os olhos azuis (assim como os cabelos ruivos), um dia, podem acabar, diluídos na população. No entanto, não há evidências de que os olhos claros estejam em extinção. É muito pouco provável que os olhos azuis desapareçam num futuro próximo, simplesmente porque um número suficiente de pessoas carrega os genes para manter as características recessivas na população humana.

Veja também

"Mudança e futuro", a esperança se destaca na oposição da Venezuela
eleições

"Mudança e futuro", a esperança se destaca na oposição da Venezuela

Presidente do México critica Tesla por adiar construção de fábrica no país
empresas

Presidente do México critica Tesla por adiar construção de fábrica no país

Newsletter