INVESTIGAÇÃO SOBRE JOIAS

Bolsonaro recebeu envelope com dinheiro em espécie de genro de empresário do agronegócio, aponta PF

Mensagens foram recuperadas em investigação sobre desvio de joias, encaminhada ao Supremo Tribunal Federal

O ex-presidente Jair Bolsonaro, indiciado pela PF no caso das joias sauditas O ex-presidente Jair Bolsonaro, indiciado pela PF no caso das joias sauditas  - Foto: Evaristo Sá/AFP

A Polícia Federal (PF) aponta que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) recebeu um envelope com dinheiro em espécie de um familiar de um empresário do agronegócio, em 31 de dezembro de 2022, pouco depois de chegar aos Estados Unidos.

Procurado, o empreendedor Paulo Junqueira, que teria emprestado imóvel no país estrangeiro para a estada de Bolsonaro e foi citado em relatório da PF, não respondeu.

As mensagens trocadas sobre o tema foram recuperadas durante a investigação sobre o esquema de desvio de joias do acervo presidencial, encaminhada ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma das conversas se deu entre o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Cid, e o assessor técnico militar Daniel Luccas, responsável pela infraestrutura para receber o presidente em território americano. Em 30 de dezembro, ele diz ao oficial:

“...o Samuel (genro de Paulo Junqueira) prefere ir encontrar o PR amanhã para entregar a encomenda”, em referência, segundo a PF, a Samuel Oliveira, genro do empresário. As investigações apontam que é dele uma das casas que o ex-presidente chegou a se hospedar em Orlando.

No dia seguinte, Mauro Cid conversa com Marcelo Câmara, outro ex-assessor de Bolsonaro, sobre o assunto tratado anteriormente com Daniel Luccas.

Cid pergunta: “Samuel entregou o dinheiro? Cartão do Junquiera?”. E Câmara responde: “Sim entregou. E eu passei para o cordeiro. Ai ele vai falar com o PR. Avisei pra deixar uma parte comigo para controle”.

"Diante dessas conversas entre Mauro Cid, Daniel Luccas e Marcelo Câmara, ficou evidente que Samuel entregaria uma encomenda (dinheiro) para o ex-presidente Jair Bolsonaro, ainda no ano 2022, enquanto ainda exercia o cargo de Presidente da República do Brasil", afirma a PF no relatório.

Veja também

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro
Bolsonaro

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro
Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro

Newsletter