china

Taiwan detecta 66 aviões chineses perto da ilha, um recorde em 2024

Recorde anterior neste ano datava de maio, quando Pequim enviou 62 aviões e 27 barcos durante manobras militares em Taiwan, após a posse do novo presidente

Presidente de Taiwan, Lai Ching-tePresidente de Taiwan, Lai Ching-te - Foto: Sam Yeh/AFP

O Ministério da Defesa de Taiwan disse nesta quinta-feira (11) que seus sistemas detectaram 66 aviões militares chineses ao redor da ilha em uma janela de 24 horas, um recorde no ano.

Pequim afirma que a ilha de governo democrático é parte de seu território e garante que nunca renunciará ao uso da força para tomar seu controle.

O registro acontece um dia depois que as autoridades de Taiwan e do Japão relataram exercícios militares chineses em águas próximas.

Segundo o comunicado do Ministério da Defesa de Taiwan, 66 aviões e sete navios militares chineses foram enviados ao redor de seu território em 24 horas até a manhã desta quinta-feira.

No total, 56 aviões chineses atravessaram a linha média, a um estreito de 180 milhas que os separava da ilha de Taiwan da China.

Uma ilustração publicada pelo governo chinês mostra que algumas aeronaves se aproximaram a menos de 33 milhas náuticas (61 quilômetros) do extremo sul de Taiwan.

O recorde anterior neste ano datava de maio, quando Pequim enviou 62 aviões e 27 barcos durante manobras militares após a posse do novo presidente taiwanês, Lai Ching-te, considerado pela China como "um perigoso separatista".

Para o analista militar Su Tzu-yun, a nova demonstração de força da China é uma reação aos recentes pensamentos políticos, incluindo a reunião do novo embaixador de fato dos Estados Unidos em Taiwan com Lai, que expressou apoio a Taipé durante um encontro na quarta-feira.

"Pequim pressiona Taiwan para expressar seu descontentamento com o apoio de que goza", escreveu Su, do Instituto de Pesquisa sobre Defesa e Segurança Nacional de Taiwan.

O porta-voz da diplomacia chinesa, Lin Jian, reiterou nesta quinta-feira que "Taiwan é uma parte inalienável do território da China".

"A determinação e a resolução do povo chinês de salvaguardar a soberania nacional e a integridade territorial são inabaláveis", afirmou.

Veja também

Sheila Jackson Lee, ativista antirracista, morre aos 74 anos
luto

Sheila Jackson Lee, ativista antirracista, morre aos 74 anos

Bukele se reúne com congressistas republicanos dos EUA em El Salvador
conflito

Bukele se reúne com congressistas republicanos dos EUA em El Salvador

Newsletter